Estamos no início de um novo século, e o que eu mais procuro à minha volta? Uma enceradeira. Parece palavra em outra língua, mas em tempos passados foi um eletrodoméstico muito usado, que todas as donas de casa conheciam. Servia para deixar o chão lustroso, porém não é esta a razão pela qual a quero tanto.
Já entrei em mais de cem lojas de antiguidades e ferros velhos, e como resposta só recebo os rostos emburrados dos atendentes. Onde haverá uma última enceradeira elétrica neste canto do mundo? Será que todas foram descartadas, como foram as geladeiras e os fogões?
Preciso muito daquela enceradeira. Recordo muito bem o som que ela fazia, quando minha mãe a usava. E é a lembrança desse som que me aflige. Preciso muito ouvir aquela música novamente!
Já inventaram a alimentação artificial, os rejuvenescedores, a pele sintética e a vacina universal “contra todo o mal”, como diz o slogan. Nem comer nós precisamos mais! Mas não criaram nada que se compare à enceradeira elétrica.
Hoje em dia só morre quem quer. Ou melhor: só morre quem não pode pagar. E aqui estou eu, completando minhas duzentas e vinte e cinco primaveras. Mas me pergunto: pra que viver tanto, se não consigo mais dormir?
Os comprimidos já não fazem mais efeito. O único sonífero que funcionaria seria aquela deliciosa vibração que ecoava pela casa todas as quintas-feiras, que era o dia em que minha mãe fazia a faxina. A frequência sonora daquele motorzinho giratório que nenhum outro aparelho jamais igualou.
Já tentei de tudo: aspiradores de pó, batedeiras, liquidificadores. Mas nenhum faz uma música de ninar tão suave como a enceradeira que minha mãe usava. Não esqueço a sensação de sonolência que me causava assim que o som tocava suavemente os meus ouvidos e arrepiava minha pele, obrigando-me a deitar no sofá e a dormir o mais delicioso dos sonos, seguido de agradáveis sonhos infantis.
É isso que eu busco nesses lugares, meu amigo. Uma enceradeira igual àquela, pois de nada adianta continuar vivendo sem poder sonhar.


Créditos:

escrito por
L. F. RIESENBERG
http://www.riesemberg.com.br

produzido, gravado, editado e narrado por
CARLOS AUGUSTO LEÃO
http://caleao.net

arte da capa
http://h-leao.deviantart.com/

voz da vinheta
MÁRCIO SEIXAS
http://marcioseixas.com.br/

música tema
SIMON CHARRIER
http://www.simoncharrier.net

colaboração
GILHERME COELHO REIS
PRISCILLA OLIVEIRA


#TCF #pracegover #pracegoouvir

Share This